Depois do Positivo...

   Olá meninas, hoje resolvi fazer um It Girl bem diferente para vocês. Sempre trago toda semana meninas que são admiradas por sua beleza, estilo e entre outras coisas, mas, dessa vez resolvi inovar um pouco. Por que não mostrar uma menina que é admirada por outras coisas? Há um tempo atrás aqui no blog fizemos um post falando sobre gravidez, mas não mostramos para vocês como é a realidade de uma menina que abre mão ou atrasa seus sonhos para assumir a responsabilidade de criar um filho. O It Girl dessa semana é sobre a reviravolta na vida da nossa guerreira Jéssica Calixto, mãe da sapeca Ana Clara. Vocês vão se impressionar com a história e força dessa jovem de apenas 20 anos que viu sua vida mudar após o positivo. Vamos lá conhecer essa história?


Imagina, que sonho completar os tão esperados 18 anos? Poder entrar em boates, na faculdade e curtir intensamente a vida. Pois é, foi assim que a Jéssica planejou que seria sua vida após completar a maioridade. Mas não foi bem assim que aconteceu... No dia 13 de maio de 2014, em uma consulta com uma ginecologista Jéssica foi diagnosticada com um ovário policístico, e sendo assim não poderia ter filhos (ou pelo menos uma dificuldade bem grande pra ter), além de ter que trocar seu anticoncepcional e começar um tratamento para no futuro poder ser mãe.
Mas me diz, que jovem quer ser mãe cedo? Jéssica não se interessava em ter filhos, só queria celebrar a vida e aproveitar bem seus 18 anos. No dia 02 de Julho de 2014 seu namorado que morava no exterior avisa que está vindo para o Brasil. Depois de um ano inteiro, Jéssica mal podia esperar para revê-lo. Eles passaram trinta dias juntos, matando a saudade, dormindo juntos e curtindo a vida juntos, mas no dia 02 de agosto toda alegria se acabou, já que ele teve que voltar para o exterior. Após dois meses que seu namorado havia ido embora o mal estar tomava conta da nossa menina, enjoos e a temida menstruação atrasada...
         Jéssica nem deu muita bola já que sua menstruação costumava atrasar, até que sua prima a convenceu a fazer o teste. Como sabia que não podia ter filhos, nossa it girl resolveu fazer o teste só para tirar essa cisma da cabeça de sua prima. Dois dias após fazer o beta veio o resultado, POSITIVO. Sem acreditar Jéssica fez mais dois exames, um de farmácia e outro de sangue que confirmaram o mesmo resultado do primeiro. A partir dali, sua vida mudou completamente...

01- Qual foi sua primeira reação ao saber que estava grávida?
Minha primeira reação foi chorar. Estava no trabalho quando vi o resultado. Sai correndo pro banheiro, sentei no chão e chorei por mais de vinte minutos sem saber o que fazer, pra quem contar.

02-Qual foi à reação dos seus pais quando souberam? Como contou?
Depois de duas semanas que eu tinha pegado o resultado contei para minha mãe. Sentei com ela na cama, entreguei o resultado, ela olhou e perguntou "o que é isso?". Eu disse que ela iria ser avó, e ela deu grito "VOCÊ TÁ FICANDO LOUCA?", mas foi o impacto do susto. Na mesma hora ela me perguntou como, quem, e disse que estava ao meu lado. Meu pai ficou sabendo pelos outros. Ficou super revoltado comigo e só voltou a falar comigo e me ver, quando eu estava no sexto mês de gestação.

03- E o pai do bebê? Como reagiu?
O pai dela me mandou abortar... Eu disse que não abortaria! Desde então soube que seria pai e mãe.

04-Qual foi o momento mais difícil desde que descobriu a gravidez?
O momento mais difícil foi à rejeição do pai da minha filha, e ter que sair de casa e morar sozinha.

05-Enfrentou alguma dificuldade no parto?
Senti contração por doze horas, e acabou sendo cesariana. Mas graças a Deus, deu tudo certo!
06- Falando sobre uma realidade que infelizmente ainda passa muito na cabeça de muitas meninas: você chegou pensar em abortar essa criança? Como foi seu processo de aceitação da gravidez?
Sim. Quando vi aquele positivo foi à primeira coisa que pensei. Mas na mesma hora é como que se ela sussurrasse "força mamãe, você consegue, você não pode fazer isso". E eu tenho conhecimento da Bíblia, então jamais faria isso, um pecado tão grande desse. Foi só um pensamento na hora do susto.

07- Depois da gravidez, como você cuidou da autoestima?
Eu me sentia feia, corpo diferente, não tinha tempo pra cuidar de mim porque quando não estava cuidando dela, estava trabalhando pra não deixar faltar nada. Acabei me deixando de lado, minha autoestima ficou muito baixa, perdi 10 kg do meu peso normal... Hoje depois de um ano tirei o peito, estou conseguindo ganhar peso, e agora consigo me cuidar, me arrumar e deixar a autoestima voltar aos poucos.

08-Sendo realista: quais pontos positivos, e quais pontos negativos você aprendeu com essa sua nova realidade?
Positivo- aprendi a ser mulher. Em ter sabedoria em minhas escolhas, ser mais prudente, paciente, sábia, mudei meus atos, mudei tudo na minha vida (para melhor).
Negativo- nada mais é como antes, você não come, não dorme não banha, não tem tempo para você, não pode sair (pode, mas eu não acho certo deixar minha filha com os outros para ir pra farra, então acabo não saindo).

09-Você recebeu apoio dos seus pais durante a gravidez?
Da minha mãe sim, desde o início. Do meu pai no final.

10-O que a Ana Clara significa para você?
Ana Clara significa tudo pra mim! Amor, cuidado, carinho, gratidão, recompensa...


 11-Como você conduziu sua vida depois que a Ana Clara nasceu?
Trabalho e casa, casa e trabalho.

12-O que você deseja para o futuro da sua filha?
Uma boa escola, um bom futuro, uma boa faculdade... E que ela tenha tudo que eu não tive como dá a ela.

13-Durante a gravidez seus amigos te abandonaram?
Alguns sim, outros abraçaram comigo meu sofrimento, minha dor e não me desampararam nenhum segundo.

14-O que aconteceu depois do positivo?
Eu me tornei mãe, mulher. Tudo mudou. Alimentação, hobby, lugares, amizades, roupas... TUDO!

Depois de um tempo Jéssica e o pai de sua filha pararam de conversar, ele acabou se envolvendo com outra pessoa. Mesmo sofrendo Jéssica não se deixou abalar, correu contra o tempo, saiu de casa, comprou móveis, enxoval, pagar aluguel e arcar com todos os gastos da gravidez SOZINHA. Vontade de desistir não faltou. Nossa it girl só sabia chorar, se sentia feia, gorda e sentia como se sua vida tivesse acabado. Finalmente os nove meses passaram. Jéssica sofreu ao ter que amamentar Ana Clara, o peito sangrava e ela gritava de dor, mas sabia que se não amamentasse sua filha ficaria com fome. Foi ai que entendeu e começou a sentir na pele, o que uma mãe é capaz de fazer por um filho. Quanta humilhação sofreu pela família do pai de sua filha, quantas palavras bárbaras e quanto desprezo teve que aguentar. Entre os trancos e barrancos da vida foi seguindo em frente, sempre com sua filha e trabalhando de domingo a domingo, para poder não faltar nada para sua pequena.

"Dia 08 de abril de 2015 você veio ao mundo. Ah como eu fiquei emocionada, você tão pequenininha, tão indefesa, eu te abraçava tanto, te pedia perdão o tempo inteiro por ter te colocado nesse mundo cruel, cheio de maldade, sofrimento e sem um pai... Te prometi dali que eu faria tudo por você, que eu ia ser seu pai e sua mãe e nunca ia te deixar faltar nada. Que vida vazia eu tinha antes de você. Brindo a mim mesma que mudei minha figura por uma barriga, troquei um delineador de olhos por olheiras, eu que deixei as noites de festas por constantes noites em claro! Mudei tanto e deixei tudo apenas para receber amor em troca."

Que história em meninas? Assim que soube da história da Jéssica achei que serviria de exemplo para algumas meninas. Um filho não é o fim do mundo, mas exige força, responsabilidade e significa abrir mão de muitas coisas por um ser que precisa de seus cuidados. A Jéssica é um exemplo a ser seguido, é um exemplo de mulher que não ligou para os comentários alheios, que sofreu com as acusações da família do seu ex-namorado, mas, que mesmo assim lutou para não deixar faltar nada para sua pequena. Espero que a história da Jéssica sirva de exemplo para vocês, que muitas meninas entendam e aprendam o que é ser mãe e mulher de verdade. Agradeço a Jéssica por ter topado participar desse post especial, por ter topado contar sua história e a reviravolta de sua vida.
Filho é um ser pequenino e frágil que desperta toda coragem e ousadia que podem caber em uma mulher.

Beijos!
Barbara Carvalho




Postar um comentário